Unidos de Vila Isabel

De WikiRio
(Redirecionado de GRES Unidos de Vila Isabel)
Ir para: navegação, pesquisa

Unidos de Vila Isabel

O Grêmio Recreativo e Escola de Samba Unidos de Vila Isabel é uma escola de samba carioca. Atualmente está sediada no Boulevard 28 de setembro, em Vila Isabel. possuindo uma quadra moderna, sendo a segunda maior quadra entre todas as escolas de samba do Rio de Janeiro, só fica atrás apenas da quadra da Mocidade Independente que tem 33 mil metros quadrados. A quadra da Vila tem capacidade para 11.000 pessoas em 4.000 metros quadrados de área construída, seu palco tem 300 metros quadrados. Há camarotes luxuosos que são frequentados por ricos, famosos e diretores da escola. No local costumam ocorrer shows de grandes artistas e bandas pertencentes ao projeto "Casa de Bamba".

Em seu brasão há a coroa da Princesa Isabel, aonde figuram na parte de cima um resplendor com uma fita azul aonde se encontram as iniciais da agremiação (GRESUVI), e na parte de baixo, se vêem uma clave de sol, um pandeiro e a pena de Noel Rosa.

Ficha técnica 2017

Vila Isabel
Escola-madrinha Portela
Informações gerais
Presidente Levi Júnior
Presidente de honra Martinho da Vila
Carnavalesco Alex de Souza
Interprete oficial Igor Sorriso
Diretor de carnaval
Comissão de Carnaval Evandro Bocão
André Diniz
Júnior Schall
Décio Bastos
Diretor de harmonia Décio Bastos
Diretor de bateria Mestre Wallan
Rainha de bateria Sabrina Sato
Mestre-sala e porta-bandeira Rafael e Amanda Poblete
Coreógrafo Patrick Carvalho

História

O futebol está ligado à fundação da Unidos de Vila Isabel, pois existia no bairro, em 1945, um bloco conhecido como Vermelho e Branco. O afastamento de alguns componentes resultou na criação de um time de futebol com as cores azul e branco, posteriormente transformado em um novo bloco carnavalesco. Antônio Fernandes da Silveira, o "China", registrou a sociedade na União Geral das Escolas de Samba, fundando, assim, no dia 4 de abril de 1946, a escola.

A casa de "China", primeiro presidente da escola, serviu até 1958 como sede administrativa da agremiação. Os ensaios eram realizados no Campo do Andaraí. O primeiro enredo da Vila, De Escrava a Rainha, contou com apenas 100 componentes desfilando na Praça Onze: 27 ritmistas, 13 baianas e mais 50 pessoas. Paulo Brazão, um dos fundadores da escola, foi um dos maiores ganhadores de samba-enredo da Vila Isabel, em 1960, a escola ficou em primeiro lugar no Grupo 3, com o enredo Poeta dos Escravos.

Uma das figuras mais conhecidas da escola é, sem dúvida, Martinho da Vila. Sua entrada na agremiação aconteceu em 1965: ele fazia parte da Escola de Samba Aprendizes da Boca do Mato e já estava partindo para o Império Serrano, quando surgiu o convite para integrar a ala de compositores da Vila Isabel. Na nova escola, Martinho reestruturou a forma de compor samba-enredos, com a introdução de letras e melodias mais suaves, emplacando 4 sambas consecutivamente. No carnaval de 1967, Martinho da Vila compôs Carnaval de Ilusões, em 1968 Quatro Séculos de Modas e Costumes, em 1969, Iaiá do Cais Dourado e em 1970, Glórias Gaúchas.

Em 1979, a Vila saiu vitoriosa do Grupo 1B, com um enredo feito por Yêdda Pinheiro, falando sobre Os dourados anos de Carlos Machado. Foi a primeira vez que uma escola homenageou um vulto da cultura ainda vivo. Hoje é lugar comum, mas esta foi a primeira vez em que isto foi feito.

No grupo especial, a Vila Isabel conquistou apenas seu primeiro campeonato, em 1988,desfile do samba-enredo Kizomba, a festa da raça. O desfile marcou a passarela do samba, por abusar de materiais alternativos, como a palha e sisal, e pela garra dos componentes da escola. Para muitos que conhecem bem os desfiles de escolas, este talvez tenha sido o melhor desfile de que se há notícia. Infelizmente, devido a um grave temporal, que deixou a cidade do Rio de Janeiro em estado de calamidade pública, o Desfile das Campeãs não foi realizado.

O futebol está ligado à fundação da Unidos de Vila Isabel, pois existia no bairro, em 1945, um bloco conhecido como Vermelho e Branco. O afastamento de alguns componentes resultou na criação de um time de futebol com as cores azul e branco, posteriormente transformado em um novo bloco carnavalesco. Antônio Fernandes da Silveir (China) registrou a sociedade na União Geral das Escolas de Samba, fundando, assim, no dia 4 de abril de 1946, a escola.

A casa de "China", primeiro presidente da escola, serviu até 1958 como sede administrativa da agremiação. Os ensaios eram realizados no Campo do Andaraí. O primeiro enredo da Vila, De Escrava a Rainha, contou com apenas 100 componentes desfilando na Praça Onze: 27 ritmistas, 13 baianas e mais 50 pessoas. Paulo Brazão, um dos fundadores da escola, foi um dos maiores ganhadores de samba-enredo da Vila Isabel, em 1960, a escola ficou em primeiro lugar no Grupo 3, com o enredo Poeta dos Escravos.

Uma das figuras mais conhecidas da escola é, sem dúvida, Martinho da Vila. Sua entrada na agremiação aconteceu em 1965: ele fazia parte da Escola de Samba Aprendizes da Boca do Mato e já estava partindo para o Império Serrano, quando surgiu o convite para integrar a ala de compositores da Vila Isabel. Na nova escola, Martinho reestruturou a forma de compor samba-enredos, com a introdução de letras e melodias mais suaves, emplacando 4 sambas consecutivamente. No carnaval de 1967, Martinho da Vila compôs Carnaval de Ilusões, em 1968 Quatro Séculos de Modas e Costumes, em 1969, Iaiá do Cais Dourado e em 1970, Glórias Gaúchas.

Em 1979, a Vila saiu vitoriosa do Grupo 1B, com um enredo feito por Yêdda Pinheiro, falando sobre Os dourados anos de Carlos Machado. Foi a primeira vez que uma escola homenageou um vulto da cultura ainda vivo. Hoje é lugar comum, mas esta foi a primeira vez em que isto foi feito.

No grupo especial, a Vila Isabel conquistou apenas seu primeiro campeonato, em 1988, desfile do samba-enredo Kizomba, a festa da raça. O desfile marcou a passarela do samba, por abusar de materiais alternativos, como a palha-sisal e pela garra dos componentes da escola. Para muitos que conhecem bem os desfiles de escolas, este talvez tenha sido o melhor desfile de que se há notícia. Infelizmente, devido a um grave temporal, que deixou a cidade do Rio de Janeiro em estado de calamidade pública, o Desfile das Campeãs não foi realizado.

Após a vitória de 1988, a escola ainda conseguiu uma boa colocação com Direito é Direito, em 1989 (4º lugar), nesse ano, foi marcante a comissão de frente formada por mulheres grávidas. Mas na década de 1990, a escola alternou entre a 7ª e a 12ª colocação. Em 2000, no entanto, a Vila Isabel ficou na 13ª colocação, descendo para o Grupo de Acesso A. Em 2002, com um enredo sobre Nilton Santos a Vila deixou de subir ao Grupo Especial por engano de um julgador, que trocou a nota 10 que seria dada à Vila por uma nota menor, que seria dada à União da Ilha. Com isso, a Santa Cruz, sagrou-se campeã.

Em 2004, com um enredo sobre a cidade de Paraty, a Vila retorna ao especial, sagrando-se campeã do Grupo de Acesso6 . Em 2005 tendo Joãosinho Trinta à frente, que vítima de um derrame cerebral não pode continuar os trabalhos a Vila trouxe um enredo sobre navios7 que lhe deu a 10ª colocação.

Depois de ficar anos sem quadra de ensaios, Ruça, presidenta da escola, conseguiu que a escola municipal Equador, que fica no Boulevard 28 de Setembro com a rua Rocha Fragoso, cedesse a sua quadra de esportes. Atualmente a escola possui uma quadra de ensaios localizada na Boulevard, na outrora estação final dos bondes, onde era o parque de estacionamento do Detran e garagem da antiga CTC.

Em 2006, a Vila Isabel levou para a avenida o enredo "Soy loco por ti América - A vila canta a latinidade", do carnavalesco Alexandre Louzada8 e conseguiu seu segundo título, depois de muito sofrimento na apuração. Com um contagiante refrão, o samba-enredo da Vila Isabel foi um dos que mais fizeram as arquibancadas cantarem e, curiosamente, foi o que determinou o título9 . A empresa PDVSA, estatal petrolífera da Venezuela, financiou o carnaval da Vila Isabel com uma doação de R$ 900 mil. Entretanto, segundo reportagem do "Jornal do Brasil" de 3 de março de 2006, autoridades venezuelanas estão investigando o patrocínio e seu verdadeiro valor, pois há versões de que o montante ficou entre US$ 450 mil e US$ 2 milhões. O matutino venezuelano Reporte noticiou em sua capa que mais de 500 pessoas viajaram ao Rio de Janeiro com todas as despesas pagas pela PDVSA para animar o desfile da Vila Isabel. Em 2007, com enredo falando sobre as Metamorfoses10 , de Cid Carvalho, que estreava carreira-solo, termina na 6ª posição.

No carnaval de 2008, falando sobre os Trabalhadores do Brasil, a Vila vem com um desfile rico e visualmente perfeito. No entanto, um erro de manobra do 8º último carro prejudica a escola de Noel, mas não tiraram o brilho da nova rainha de bateria (Natália Guimarães) que arrasou na avenida.

No carnaval de 2009, a Vila falou sobre o centenário do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com o enredo "Neste Palco da Folia, Minha Vila Anuncia: Theatro Municipal, a Centenária Maravilha"14 15 , de autoria do carnavalesco Alex de Souza, que em parceria com o polêmico Paulo Barros, terminou na 4º colocação.

No carnaval de 2010, a Vila falou sobre o centenário de Noel Rosa, com o enredo "Noel: a presença do poeta da Vila" do carnavalesco Alex de Souza. Para este carnaval, contou com um samba composto por Martinho da Vila, o que não acontecia desde 1993, além das estreias de Mestre Átila, como diretor de bateria e Gracyanne, como rainha. No entanto, a escola que lutava por mais um título, terminou na mesma colocação do ano anterior.

Meses após o carnaval, seu presidente na época, Wilson Vieira Alves (mais conhecido como "Moisés"), foi preso durante a Operação Alvará, após ser acusado de liderar a máfia ligada a exploração de caça-níqueis em Niterói e São Gonçalo. Com sua prisão, assumiu interinamente a direção da escola seu filho Wilsinho, que acumulava também o cargo de superintendente.

No Carnaval de 2011, a Vila fala sobre cabelo, desenvolvido pela carnavalesca Rosa Magalhães, alcançando apenas o quarto lugar. Nesse mesmo ano o presidente Wilsinho é reeleito para comandar a agremiação.

No Carnaval de 2012, Vila Isabel foi a última escola a desfilar no primeiro dia, com o sol bastante claro na Sapucaí levou o enredo "Você Sembo Lá... Que Eu Sambo Cá - O Canto Livre de Angola"20 , sobre Angola21 num desfile que marcou a escola e fazendo ela ficar em terceiro lugar.

No Carnaval de 2013, a escola homenageou o agricultor com o enredo "A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo - Água no feijão que chegou mais um".

A Escola recebeu patrocínio de aproximadamente 10 milhões de reais da empresa alemã BASF, uma das maiores fabricantes de agrotóxicos do mundo.

O desfile da Vila Isabel foi o último do segundo dia de desfiles. A Vila Isabel era considerada por muitos, tanto público quanto especialistas, uma das favoritas, juntamente com a Beija-Flor, Unidos da Tijuca de Paulo Barros e Salgueiro. No dia da apuração, porém, a Vila se sobressaiu sobre as demais escolas e conseguiu seu terceiro título no Grupo Especial, consagrando assim o melhor samba de 2013 composto por André Diniz, Arlindo Cruz, Martinho da Vila, Tunico e Leonel

A parceria de sucesso com a empresa BASF foi mantida para o carnaval de 2014, quando a agremiação falará novamente sobre o campo. depois do título, a escola perdeu o intérprete Tinga e o casal de mestre-sala e porta bandeira Julinho e Ruth. além da carnavalesca Rosa Magalhães. trazendo Gilsinho, como novo cantor, o casal Marquinhos e Giovanna além do retorno do carnavalesco Cid Carvalho falando sobre os Biomas e Foclore brasileiro31 .

Ainda meses depois, mais uma baixa. dessa vez foi Mestre Paulinho que após dois anos, deixou o comando de bateria, que passa a ser comandada por Wallan32 . e na madrugada do dia 9 de dezembro, a escola escolheu seu samba para o carnaval de 2014, que mais uma vez deu a parceria de André Diniz, Evandro Bocão, Professor Wladimir, Arlindo Cruz e Artur das Ferragens33 . que derrotou outro samba, visto como favorito na escola, de: Tunico da Vila, Pedro Luís, Suzana Pires e Thales Nunes34 .

Em novembro, o carnavalesco responsável por assinar o desfile de 2014 da escola, Cid Carvalho, pediu demissão por falta de pagamento. A agremiação anunciou que uma comissão de carnaval com profissionais da casa irá tocar o carnaval de 2014. meses depois, Cid foi reintegrado novamente como carnavalesco da escola38 . O que se refletiu em seu desfile, onde se faltou organização e problemas financeiros, com diversas alas sem fantasias. estando com cara de que brigaria pra não cair. o que na apuração, fez com que ficasse na 10º colocação. gerando revolta no mundo do samba, devido se ter recebido notas diferentes de que se viu no desfile.

Meses depois, após a escola ter uma divida imensa, o então presidente Wilsinho assim como o seu pai, Moises que concorreria novamente a presidente não concorreram. fazendo assim que com o apoio de Capitão Guimarães, Elizabeth Aquino sendo aclamada como presidente aonde se teve o retorno de Max Lopes, como carnavalesco da agremiação. além de que a escola efetiva Diego Machado e Natália como casal de mestre-sala e porta-bandeira.

Segmentos

Presidentes

Nome Mandato
Antonio Fernandes da Silveira (Seu China) 1946-1959
Rodolpho de Souza 1959-1961
José Lima Filho 1961-1963
David Corrêa 1963-1965
Cornélio Cappelletti 1965-1966
Miro Garcia 1966-1968
Duclerc Dias 1968-1970
Djalma Pereira Victorio 1970-1972
Esclepildes Maria Cordeiro 1972-1974
Cornélio Cappelletti 1974-1976
Djalma Pereira Victorio 1976-1978
Paulo Gomes de Aquino 1978-1980
Orlando Alves Pereira 1980-1981
Waltencir Coelho 1981-1982
Capitão Guimarães 1983-1987
Lícia Maria Maciel Caniné (Ruça) 1987-1990
Olício Alves dos Santos 1990-1993
Valter Lopes de Carvalho 1993-1996
Olício Alves dos Santos 1996-2002
Evandro Luiz do Nascimento (Bocão) 2002-2005
Wilson Vieira Alves (Moisés) 2006-2011
Wilson da Silva Alves (Wilsinho) 2012-2014
Elizabeth Aquino (Beta) 2014-2015
Luciano Ferreira 2015-2016
Levi Júnior 2016-atual

Rainhas de bateria

Nome Período
Adriana Perett 2005–2007
Natália Guimarães 2008–2009
Gracyanne Barbosa 2010
Sabrina Sato 2011-atual

Enredos

Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco(s) Intérprete
1947 12º lugar 1 Escrava rainha Miguel Moura
1948 Não desfilou
1949 8º lugar UGESB Iracema Miguel Moura
1950 9º lugar UGESB Baía da Guanabara Miguel Moura
1951 Não desfilou
1952 Julgamento anulado Fé, Esperança e Caridade Miguel Moura
Não desfilou nos anos de 1953 e 1954
1955 11º lugar 2 Obras da natureza Comissão de Carnaval Paulinho da Vila
Antônio Fernandes, Seu China e Djalma Fernandes
1956 Vice-campeã 2 Três épocas Gabriel Pena Paulinho da Vila
1957 16º lugar 1 O grande baile da Ilha Fiscal Miguel Moura Paulinho da Vila
1958 5º lugar 2 Riquezas do Brasil Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1959 12º lugar 2 Saldanha da Gama Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1960 Campeã 3 Poeta dos Escravos Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1961 4º lugar 2 A imprensa através dos tempos Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1962 8º lugar 2 D. João VI Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1963 4º lugar 2 Três fatos históricos Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1964 3º lugar 2 Exaltação à Bahia Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1965 Vice-campeã 2 Epopéia do Teatro Municipal Gabriel do Nascimento Paulinho da Vila
1966 4º lugar 1 Três acontecimentos históricos Gabriel do Nascimento e Dario Trindade Paulinho da Vila
1967 4º lugar 1 Carnaval das ilusões Gabriel do Nascimento e Dario Trindade Paulinho da Vila
1968 8º lugar 1 Quatro séculos de modas e costumes Augusto Gonçalves e Walter Tomé Paulinho da Vila
1969 5º lugar 1 Yá-Yá do Cais Dourado Augusto Gonçalves e Walter Tomé Paulinho da Vila
1970 5º lugar 1 Glórias Gaúchas Comissão de Carnaval Paulinho da Vila
Castelo Branco, José Ribamar e Iomar Soares
1971 5º lugar 1 Ouro mascavo Iomar Soares Antonio Grande
1972 6º lugar 1 Onde o Brasil Aprendeu a Liberdade Djalma Victorio e Soares Souza Paulinho da Vila
1973 8º lugar 1 Zodíaco no samba Gabriel do Nascimento e Dario Trindade Antonio Grande
1974 10º lugar 1 Aruanã-Açu Yarema Ostrog Paulinho da Vila
1975 6º lugar 1 Quatro séculos de paixão Flávio Rangel Zé Carlos
1976 6º lugar 1 Invenção de Orfeu Geraldo Sobreira e Flávio Rangel Barbinha
1977 5º lugar 1 Ai que saudade que eu tenho Arlindo Rodrigues e Luiz Ferreira Jorge Goulart
1978 8º lugar 1 Dique, um mar de amor Departamento Cultural Garganta de Ferro
1979 Campeã 1B Os dourados anos de Carlos Machado Comissão de Carnaval Marcos Moran
Yêdda Pinheiro, Fernando Costa e Syílvio Cunha
1980 Vice-campeã 1A Sonho de um Sonho Fernando Costa e Sylvio Cunha Marcos Moran e Zé Carlos
1981 9º lugar 1A Dos jardins do Éden, à era de Aquarius Syílvio Cunha Marcos Moran
1982 10º lugar 1A Noel Rosa e os poetas da Vila nas batalhas do Boulevard Viriato Ferreira Marcos Moran
1983 9º lugar 1A Os imortais Fernando Costa Marcos Moran
1984 5º lugar 1A Para tudo se acabar na quarta-feira Fernando Costa Gera
1985 3º lugar 1A Parece que foi ontem Max Lopes Gera
1986 11º lugar 1A De alegria cantei, de alegria pulei, de três em três pelo mundo rodei Max Lopes Gera
1987 5º lugar 1 Raízes Max Lopes Gera
1988 Campeã 1 Kizomba, a festa da raça Comissão de Carnaval Gera
Milton Siqueira, Paulo César Cardoso e Ilvamar Magalhães
1989 4º lugar 1 Direito é Direito Comissão de Carnaval Gera
Milton Siqueira, Paulo César Cardoso e Ilvamar Magalhães
1990 12º lugar Especial Se esta terra, se esta terra fosse minha Ilvamar Magalhães Gera
1991 11º lugar Especial Luiz Peixoto: E tome polca! Ilvamar Magalhães Gera
1992 12º lugar Especial A Vila vê o ovo e põe as claras Gil Ricon Gera
1993 8ºlugar Especial Gbala - Viagem ao templo da criação Oswaldo Jardim Gera e Martinho da Vila
1994 9º lugar Especial Muito prazer! Isabel de Bragança e Drummond Rosa da Silva, mas pode me chamar de Vila Oswaldo Jardim Gera e Jorge Tropical
1995 9º lugar Especial Cara e coroa, as duas faces da moeda Max Lopes Gera e Jorge Tropical
1996 7º lugar Especial A heróica cavalgada de um povo Max Lopes Gera e Jorge Tropical
1997 9º lugar Especial Não deixe o samba morrer Jorge Freitas Gera e Jorge Tropical
1998 12º lugar Especial Lágrimas, suor e conquistas no mundo em transformação Jorge Freitas Gera e Jorge Tropical
1999 11º lugar Especial João Pessoa, onde o sol brilha mais cedo Jorge Freitas e João Luís de Moura Gera e Jorge Tropical
2000 13º lugar Especial Academia indígena de letras - Eu sou índio, eu também sou imortal Oswaldo Jardim Jorge Tropical
2001 4º lugar Acesso A Estado maravilhoso cheio de encantos mil Comissão de Carnaval Jorge Tropical
Ricardo Pavão, Rachid, Márcia Braga, Martinho da Vila e Jorge Caribé
2002 2º lugar Acesso A O glorioso Nilton Santos... Sua bola, sua vida, nossa Vila... João Luís de Moura Jorge Tropical
2003 3°lugar Acesso A Oscar Niemeyer, o arquiteto no recanto da princesa Jorge Freitas Jorge Tropical e Tinga
2004 Campeã Acesso A A Vila é Para Ti... João Luís de Moura Tinga
2005 10º lugar Especial Singrando os mares e construindo o futuro Joãosinho Trinta e Wany Araújo Tinga
2004 Campeã Especial Soy loco por tí, América: A Vila canta a latinidade Alexandre Louzada Tinga
2007 6º lugar Especial Metamorfoses: do reino natural à corte popular do carnaval - as transformações da vida Cid Carvalho Tinga
2008 9º lugar Especial Trabalhadores do Brasil Alex de Souza Tinga
2009 4º lugar Especial Neste palco da folia, minha Vila anuncia: Theatro Municipal, a centenária maravilha Alex de Souza e Paulo Barros Tinga
2010 4º lugar Especial Noel: a presença do poeta da Vila Alex de Souza Tinga
2011 4º lugar Especial Mitos e histórias entrelaçadas pelos fios de cabelo Rosa Magalhães Tinga
2012 3º lugar Especial Você semba lá .... Que eu sambo cá! O canto livre de Angola Rosa Magalhães Tinga
2013 Campeã Especial A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo - Água no feijão que chegou mais um Rosa Magalhães Tinga
2014 10º lugar Especial Retratos de um Brasil plural Cid Carvalho Gilsinho
2015 11º lugar Especial O Maestro Brasileiro está na terra de Noel, a partitura é azul e branco, da nossa Vila Isabel Max Lopes Gilsinho
2016 8º lugar Especial Memórias do 'Pai Arraia' - um sonho pernambucano, um legado brasileiro Alex de Souza Igor Sorriso
2017 Especial O som da cor Alex de Souza Igor Sorriso


Endereço

Boulevard 28 de Setembro, 382 - Vila Isabel (Zona Norte) - Rio de Janeiro
Carregando mapa...

Eventos

  • Feijoada com Samba - A feijoada acontece todo os segundos sábados de cada mês.
  • Ensaios - Todas as sábados, as 22:00

Mais informações

Barracão de Alegorias
  • Cidade do Samba - Rua Rivadávia Correa, 60 – Gamboa, Rio de Janeiro
  • Telefone: (21) 2283-1744

Escolas de samba do Rio de Janeiro 2017

Grupo Especial
Domingo: Paraíso do TuiutiGrande RioImperatrizVila IsabelSalgueiroBeija-Flor

Segunda: União da IlhaSão ClementeMocidadeUnidos da TijucaPortelaMangueira
Série A
Sexta: SossegoAlegriaViradouroImpério da TijucaParque CuricicaEstácioSanta Cruz

Sábado:RocinhaCubangoInocentesImpério SerranoUnidos de Padre MiguelRenascerPorto da Pedra
Série B
Terça: Vizinha FaladeiraCaprichososJacarezinhoCabuçuEngenho da RainhaTradiçãoLeãoPonteFavoEm Cima da HoraSanta MartaArameUnidos de Bangu
Grupo C
Segunda: Vila KennedyArrancoUnião de JacarepaguáBoca de SiriArrastãoLins ImperialVargensVigário GeralUnião de MaricáFlor da MinaCoroadoVila Santa TerezaSerenoLucas
Grupo D
Domingo: Alegria do VilarDendêVilla RicaMocidade da Cidade de DeusChatubaRosa de OuroManguinhosMocidade de InhaúmaNação InsulanaImpério da UvaMatriz de São JoãoDifícil é o NomeTupy de Brás de PinaCosmosAbolição
Grupo E
Sábado das Campeãs: CabralMocidade de Vicente de CarvalhoBohêmios da CinelândiaEmbalo CariocaGatoImpério RicardenseChora na RampaColibriBoêmios de InhaúmaUnião de Vaz LoboDelírioAcadêmicos de MadureiraBoi da IlhaImpério da Zona OesteTrês Corações
Outros

ResultadosEnsaios técnicosDiscografiaCampeãs (EspecialSérie A - BGrupo C - D - E)